Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fontes, bebedouros e chafarizes

Fontes, bebedouros e chafarizes

14
Jun19

Fonte das 3 bicas, Leiria

JL

A Fonte das 3 bicas, em Leiria, é uma fonte barroca, do século XVII, com três carrancas clássicas e dois bebedouros para animais, localizada no centro da cidade. Atualmente, a sua água não é potável mas, isso, já não é surpresa alguma. Fonte das Carrancas, Fonte Grande ou Chafariz Grande são outros nomes que lhe são atribuídos. 

IMG_5830.jpeg

GPS: 39.7431103,-8.8057166

Outras fontes em Leiria: O Lis e a Lena.

13
Jun19

Fonte Luminosa o Lis e o Lena, Leiria

JL

Em dia de Santo António, uma fonte associada a uma história de amor:

Reza a lenda, que o rio Lis e o seu afluente rio Lena, se perderam de amores e que, um dia, à saída da cidade, onde os dois se juntam, celebraram casamento para unirem o seu amor... num só rio.

Para eternizar este amor, da mais conhecida e popular lenda da cidade, Leiria inaugurou, a 22 de Maio de 1973, a sua Fonte Luminosa, donde ressalta um conjunto escultórico com traços helenísticos da autoria do Mestre escultor Lagoa Henriques, alusivo à fertilidade das terras Leirienses, ao bucolismo pastoril de tempos antigos, e do romançoso descanso à sombra dos arvoredos que ladeiam as margens destes dois rios - a sintetização de um amor devoto... pela terra que os viu nascer...

in, walter-minhas viagens,

IMG_6414.jpegIMG_6311.jpegIMG_6318.jpegIMG_6317.jpeg

GPS: 39.7436816,-8.8067613

Outras fontes em Leiria: Fonte das 3 bicas.

12
Jun19

Poço no Claustro D. Afonso V, Mosteiro da Batalha, Batalha, Leiria

JL

O Mosteiro da Batalha desenvolve-se à volta do Claustro Real, com a igreja de um dos lados e os outros edifícios nos outros lados. O claustro, de forma quadrada, é cercado por arcadas em ogiva, dispostas num só piso. O primeiro arquiteto do claustro foi Afonso Domingues, criador inicial do projeto, em 1386, e das duas primeiras galerias do claustro. O Claustro Real é muito diferente do Claustro Afonso V, que é mais modesto: era um claustro secundário, ao contrário do Claustro Real, o maior e principal claustro do Mosteiro da Batalha. Só em 1515 é que o claustro ficará completo, com os últimos retoques de Mateus Fernandes, durante o reinado de Dom Manuel, reinado esse que correspondeu ao apogeu do Império Português e ao período de Arte Manuelina.                                                                                                                                  in, Descobrir Portugal.

No centro do Claustro D. Afonso V, há um poço com grande capacidade de retenção de água. Terá servido, certamente, para o aprovisionamento inicial do convento, até à conclusão do sistema hidráulico, e para a irrigação do jardim adjacente. Nos períodos de maior escassez hídrica constitui, certamente, uma reserva de emergência e um recurso para a comunidade religiosa.

IMG_6252.jpegIMG_6251.jpegIMG_6271.jpeg

GPS: 39.6597148,-8.8259544
Outras fontes na Batalha: Lavabo do Mosteiro da Batalha.

11
Jun19

Lavabo de D. João I, Mosteiro da Batalha, Batalha, Leiria

JL

No século XV, o Convento de Santa Maria Vitória estava dotado de um sistema hidráulico que funcionava através de uma canalização subterrânea, que partia de duas mães de água e vinha abastecer o chamado lavatório franciscano. Chegada aqui, a água era repartida para a cozinha e para outras necessidades da comunidade conventual. 

O Mosteiro de Santa Maria da Vitória, de estilo Gótico, resultou de uma promessa feita pelo rei D. João I, em agradecimento pela vitória na Batalha de Aljubarrota, travada a 14 de agosto de 1385, que lhe assegurou o trono e garantiu a independência de Portugal. O lavabo data do final do século XV ou início do século XVI, já no período Manuelino.

O Mosteiro é Património Mundial da UNESCO, desde 1989. É possível fazer-se uma viagem virtual de 360º.

IMG_6237 (1).jpegIMG_6206 (1).jpegIMG_6205.jpegIMG_6207 (1).jpeg

GPS: 39.6593413,-8.8260289
Outras fontes na Batalha: Poço no Claustro D. Afonso V do Mosteiro da Batalha.

10
Jun19

Fonte no Arco de Cister, Alcobaça, Leiria

JL
O Arco de Cister liga a Praça da República à Praça de D. Afonso Henriques, desde o tempo dos Frades de Cister. Nessa altura, a importância deste arco era unir o antigo celeiro a outras dependências do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. Neste pequeno espaço, existe uma fonte que, apesar de estar num local de muita circulação de pessoas, está pratiamente abandonada.
 
09
Jun19

Fonte da praça da República e Monumento aos Monges de Cister, Alcobaça, Alcobaça, leiria

JL

Esta fonte fica na antiga Praça do Peixe, Praça das Amoreiras e ainda Praça Príncipe Dom Carlos. A atual designação de Praça da República data de 8 de outubro de 1910. Durante largos anos, foi um parque de estacionamento até que, em 1992, passou a ser um espaço pedonal. Tanto a água da fonte como a estátua mereciam melhor sorte! É certo que, onde quer que haja uma estátua, esta terá uma pomba no seu ponto mais alto. Infelizmente, as consequências são muitas: os seus dejetos, em contacto com a água, transformam-se num produto muito corrosivo, provocando danos irreparáveis na pedra dos monumentos. Em certos locais, já se está a optar pela eletrificação, uma vez que os bicos de ferro também não resultam. Pode parecer assustador mas a carga elétrica é tão mínima que nenhum dano é causado ao pássaro. A única desvantagem está no preço...

IMG_6161.jpegIMG_6166.jpeg

IMG_6157 (1).jpeg

GPS: 39.5496474,-8.9790551

Outras fontes em Alcobaça: Lavabo do Mosteiro, Cozinha do Mosteiro, Fonte do Arco de Císter.

08
Jun19

Cozinha do Mosteiro de Alcobaça, Alcobaça, Leiria

JL

Já falei da importância nas cozinhas dos mosteiros, na época medieval e renascentista, aquiaqui. Em Alcobaça, foi utilizado um complexo sistema de abastecimento de água, que passou pelo desvio de um braço do rio Alcoa, para alimentar os diversos tanques existentes na cozinha. Também conhecido como Real Abada de Santa Maria de Alcobaça, foi a primeira obra gótica erguida em Portugal. O início da sua construção remonta a 1178 e à Ordem de Cister mas as obras prolongaram-se por vários séculos. A cozinha que vemos agora reporta-nos ao século XVIII. Em 1752, foram colocados os azulejos. Os pilares da chaminé foram construídos em ferro, sendo a primeira utilização deste material na construção civil portuguesa.

É possível fazer-se uma visita virtual, quer através do google maps, quer do Portugal em 360º

É Património Mundial da UNESCO, desde 1983.

IMG_6103.jpegIMG_6120.jpegIMG_6111.jpeg

IMG_6107 (1).jpegIMG_6105.jpegIMG_6104.jpeg

GPS: 39.5488351,-8.9792768

Outras fontes em Alcobaça: Lavabo do Mosteiro

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2003
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2002
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2001
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2000
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 1999
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 1998
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 1997
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 1996
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 1995
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D